Sustentabilidade na passadeira vermelha e no mercado

As alterações climáticas estão cada vez mais na ordem do dia, e ninguém é indiferente a elas. Tanto no mundo dos holofotes como no mercado, cada vez mais se procura optar por práticas sustentáveis.

A tendência da sustentabilidade tem estado cada vez mais presente na nossa vida, seja na nossa alimentação, vestuário, artigos para a casa, entre outros. Todos podemos fazer algo e as celebridades não ignoram esse facto, levando inclusive esta tendência para a passadeira vermelha, um local que passou a ser muito mais que uma busca por ficar na lista dos mais bem vestidos, mas que passou também a ser um local onde se pode passar uma mensagem e tomar uma posição, aproveitando o momento em que têm todas as atenções centradas nelas. Mas como é que a ideia de sustentabilidade tem passado na passadeira vermelha? As celebridades têm optado cada vez mais por vestidos vintage, com materiais reciclados e até pela repetição de looks!

Tomemos o exemplo de atrizes como Marlee Matlin que usou um vestido Vivienne Westwood feito sob medida, com tecido vegan, parcialmente criado com fios de filamentos luxuosos da Tencel, bem como tecido do arquivo da casa de design, nos Óscars deste ano. Já Zendaya usou um look vintage da Saint Laurent Haute Couture de 1982 nos prémios Essence’s Black Women in Hollywood, o que também serviu de homenagem à sua proprietária original, a magnata da publicação Eunice Johnson.

Maggie Rogers escolheu um vestido Chanel pré-outono de 2014 com uma garrafa de água reutilizável a servir de mala para os Grammys em 2020 e Joaquin Phoenix usou o mesmo smoking da cruzada ética da moda Stella McCartney várias vezes, assim como Cate Blanchett, que repetiu o seu look The Venice Film Festival de 2020.

Emma Watson já tem uma longa lista de looks sustentáveis, começando em 2009 com um vintage Ossie Clark Watson para a  premiere de Harry Potter and the Half-Blood Prince, e desde aí que se pode contar vários eventos em que a atriz optou por vestidos eco e social concious. Para o Met Gala em 2016, usou um vestido Calvin Klein e em Beauty and the Beast premiere, em Paris, usou um vestido Louis Vuitton, ambos feitos de garrafas de plástico.

É inegável que a sustentabilidade está cada vez mais presente na red carpet, com criações arrebatadoras, sendo uma tendência positiva no mercado da moda, e até há celebridades que podem aproveitar para aliar esta tendência ao marketing na passadeira vermelha, promovendo as suas parcerias no âmbito de uma indústria sustentável.

Chiara Ferragni, a empreendedora, fashion blogger, designer e influencer digital italiana, apostou na sustentabilidade para desfilar no tapete vermelho, na  74.ª edição do Festival de Cinema de Cannes, dia 8 de julho, num evento onde não passou despercebida, causando furor.

Com um vestido verde fluorescente de Giambattista Valli, Chiara surgiu deslumbrante na passadeira vermelha, numa peça que continha detalhes florais feitos com alumínio reciclado de cápsulas de café Nespresso, marca com a qual a influencer italiana fez uma parceria, tendo uma linha exclusiva de máquinas de Nespresso juntando ao tradicional tom preto nas máquinas da marca o rosa com o logótipo da sua própria marca, Chiara Ferragni Brand. Além disso, as cápsulas não eram o único elemento sustentável no vestido, tendo em conta que os restantes materiais do modelo foram certificados pelas normas do GOTS (Global Organic Textile Standard), a entidade que promove medidas sustentáveis no setor têxtil.

O tom verde-limo garrido do vestido além de ter sido uma preferência e escolha de Chiara, foi pensado pela clara ligação ao meio ambiente e ao conceito de ecologia, sendo igualmente uma cor chamativa. O modelo é fluído, comprido, com uma capa majestosa e as tais flores metalizadas no decote e na cintura.

Há uma clara ligação entre a parceria de Nespresso x Chiara Ferragni e a sua estadia em Cannes, atendendo que a empreendedora e a Nespresso, para além do vestido com alumínio reciclado de cápsulas Nespresso, Chiara e a marca também abriram um café temporário para promover a parceria, à semelhança do que aconteceu em Milão. Os dias da influencer giraram à volta da sua parceria, promovendo-a no café, frequentando-o durante a sua estadia, e exibindo o vestido deslumbrante e sustentável na red carpet.

Chiara é uma influencer com grande alcance, não só na Itália como em todo o mundo, acumulando mais de 24 milhões de seguidores. A fashion blogger já usou as suas plataformas para falar de vários assuntos, desde à corrente do Demin Day, que expunha situações de violações sexuais, assinalou o Dia Internacional para a Eliminação da Violência contra as Mulheres nas suas redes sociais, a 25 de novembro, participando inclusive numa campanha da Pomellato.

Além disso, Chiara e Fedez, o seu marido, rapper italiano, viram o seu trabalho pelo bem comum reconhecido pela cidade de Milão, onde vivem, sendo premiados com o Ambrogiono d’Oro Award pela contribuição que deram à cidade durante a primeira quarentena, com a doação de 100 mil euros que ajudou a disponibilizar novas camas de hospital na área de cuidados intensivos no hospital San Raffaele. Chiara ganhou também um Leone D’Oro pelo seu comportamento exemplar na pandemia, promovendo a necessidade de ficar em casa pelo bem de todos, e, posteriormente, com a abertura do país, o turismo em Itália, passando férias e mostrando vários pontos do país. Na segunda vaga da pandemia o primeiro ministro Giuseppe Conte  recorreu inclusive a Chiara e Fedez para ajudar a incentivar que jovens cumprissem regras e usassem as mascaras.

Ferragni pretende evidentemente usar as suas plataformas não só para promover o seu trabalho e criar conteúdos, como para influenciar quanto a causas sociais pelas quais se preocupa. Na própria campanha da Pomellato, Chiara aliou-se a uma marca que quis dar voz ao combate da violência à mulher, convergindo com os seus valores. É claro que isto é muito positivo para a marca e a empresa a que pertence dado o alcance que a influencer italiana tem, mas é uma parceria que procura sensibilizar, partilhando inclusive dados que dão credibilidade ao assunto.

Desta vez decidiu promover a sua parceria na red carpet, associando os seus valores aos da marca com a qual está a trabalhar, a Nespresso, fazendo inclusive um vídeo sobre o processo de criação do vestido usado em Cannes, onde abordou o caminho sustentável que a Nespresso tem feito, reciclando 80% de cada uma das suas cápsulas. Chiara toma assim uma posição individual e conjunta, onde a Nespresso acaba por beneficiar ao passar a mensagem de que é uma marca cada vez mais sustentável, mas também passar a mensagem que este é o futuro no mercado.

Relativamente à escolha do estilista, Chiara já tem usado várias peças de Valli, inclusive para a estreia do seu documentário Unposted (2019), o que faz com que Ferragni já conheça bem o estilista e o seu trabalho, confiando-lhe uma peça que teria como objetivo que sobressaísse no evento. Giambattista Valli , também ele italiano, é um estilista cujas criações já passaram por vários tapetes vermelhos, vestindo celebridades como Zendaya, Rihanna, Demi Moore e muitas outras. O estilista mostra-se uma boa escolha também pelo seu reconhecimento, fazendo inclusive parte da elite da alta-costura parisiense, e pela sua originalidade e criatividade, que levariam à criação de uma peça que se destacasse.

Valli é muito conhecido por vestidos volumosos, com camadas, mas também adora trabalhar com materiais extremamente delicados, conferindo um toque mais romântico às coleções e fazendo-o perfeito para se arriscar numa criação em as flores de alumínio reciclado são o protagonista, um desafio do qual o estilista fala no vídeo acima.

A tendência da sustentabilidade veio para ficar e provavelmente veremos no futuro cada vez mais celebridades na red carpet a aliar-se a ela, com criações diferentes e inovadoras no seu fabrico, assim como as empresas e as suas marcas procurarão cada vez mais mostrar o caminho que têm feito em direção a uma produção mais sustentável, através de quem tem mais contacto com o seu públicos alvo, as celebridades.

Escrito por: Rafaela Boita

Editado por: Inês Conde

Um pensamento sobre “Sustentabilidade na passadeira vermelha e no mercado

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s