As redes sociais VS dignidade do animal

Actualmente somos bombardeados com vídeos, fotos e memes de animais e tudo parece ser inofensivo e até engraçado. Será mesmo assim? Vamos reflectir sobre o assunto.

Século XXI, a era do desenvolvimento tecnológico. De repente podemos usar redes sociais e uma série de plataformas para expressar os nossos sentimentos, expor a nossa vida privada e muito mais. São escolhas, certo? Ainda hoje estava a fazer o habitual scroll numa rede social e, como os algoritmos sabem que sou uma cat lover, aparecem vídeos de gatos e sugestões de pessoas, ou melhor, de gatos para seguir. Este processo acontece diariamente, mas hoje fiquei a pensar neste assunto. Temos humanos que se fazem passar por animais domésticos que fazem posts nas redes sociais.

Isto dá que pensar porque o que vemos mais por aí são vídeos supostamente engraçados de gatos com lacinhos, tiaras e fatinhos, mas até que ponto não podemos ou devemos começar a interpretar isto de outra forma, ou seja, de uma forma mais humana e consciente? Talvez sejam vídeos engraçados para a maioria das pessoas, mas, no meu caso, não consigo achar grande piada. Muitos desses vídeos ou fotos requerem uma grande preparação para se tornar no vídeo viral da semana e por isso nada é natural. Por exemplo: o dono pega no gato e cola as patas dianteiras do felino em dois pedaços de papel autocolante. Objetivo do vídeo: o gato fica desorientado e, por isso, cai de costas. Razoável?

Fonte: Instagram

Com isto quero dizer que o nosso animal de estimação não devia ser alvo de chacota por parte da opinião pública e muito menos sujeito a situações em que é forçado a fazer o seu papel de palhaço no circo. Há um aproveitamento da sua inocência para com isso ganhar mais likes e visualizações. Isto é sensato ou razoável? Este tipo de informação em forma de posts são alvo de riso por parte dos mais pequenos e parece ser tudo inocente, mas é este tipo de comportamento que queremos passar aos mais jovens? 

Vale a pena refletir sobre este tema. Se, por exemplo, perguntássemos a um cão ou gato ou outro animal doméstico qualquer se quer participar num vídeo e explicássemos o que tudo isso implica, mas que para isso tem de se sujeitar à vontade do dono e, portanto, ser o bobo da corte de toda a sociedade, muito provavelmente o pedido seria rejeitado. Uma vez que os nossos bichinhos não podem opinar, prevalece a vontade do humano. Não me parece muito justo.

Este artigo de opinião é da pura responsabilidade do autor, não representando as posições do desacordo ou dos seus afiliados.

Escrito por: Lígia Martins

Editado por: Inês Conde

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s