The Weeknd lança 3 faixas bónus em “After Hours”

The Weeknd partilhou mais três músicas inéditas incluídas na edição Deluxe do novo álbum lançado este mês, After Hours.

Nesta edição especial, as faixas que já se encontravam como um bónus nesta edição eram remixes de músicas já existentes do álbum, agora com diferentes números (18. Blinding Lights – Chromatics Remix – Chromatics,  Johny Jewel ; 19. Save Your Tears  – OPN Remi – Oneohtrix ; 20. Heartless – Vapor Wave Remix – Lil Uzi Vert, DaHeala, After Hours – The Blaze Remix ; 21. Scared to Live – SNL Live).

Já as faixas novas são Nothing Compares, Missed You e Final Lullaby, todas bónus, todas completamente novas, e já se encontram em streaming. A maioria das faixas foram reveladas pela primeira vez em direto no instagram nos dias 25 e 27 de março.

After Hours, tem já feito furor, estando inclusive na liderança do top de vendas dos Estados Unidos, Reino Unido e Austrália. Quanto à digressão mundial para promoção do álbum, no Canadá a data está agendada para dia 11 de junho, no entanto em relação à Europa apenas há datas a partir de outubro, sem qualquer data em território português por agora.

O cantor também anunciou a publicação das faixas bónus com três vídeos e três imagens no Instagram, dando continuidade à natureza cinematográfica ligada ao seu álbum.

View this post on Instagram

a few lullabies tonight 😴🌙🎵

A post shared by The Weeknd (@theweeknd) on

View this post on Instagram

😴🌙🎵

A post shared by The Weeknd (@theweeknd) on

View this post on Instagram

😴🌙🎵 9pm PST/ 12am EST

A post shared by The Weeknd (@theweeknd) on

É verdade que na rubrica “The Desacordo Sessions” o albúm do cantor já foi analisado, mas assim como The Weeknd decidiu lançar um bónus também eu deixo aqui um bónus à minha análise.

15. Nothing Compares é um faixa em que Abel continua a apontar as suas falhas, tanto a nível da relação com a amante como com a resistência aos seus velhos hábitos. Ele ainda afirma que  sempre a amará mais do que qualquer outra pessoa.

A faixa apresenta um instrumental muito complexo com níveis que incluem uma linha de guitarra elétrica, percussão e um sintetizador sólido que permanece em segundo plano. Começa num tom novamente mais sinistro, até inserido numa atmosférica cinematográfica, e acaba igualmente num som tenso e ao que parece o efeito de vozes num teclado.

Quanto aos versos temos “So I fill the void just like I did back then, Oh, ooh-ooh, oh, oh, oh”, onde continua a refletir sobre os seus vícios, acabando por cair de volta no seu velho “eu” como em Heartless, música em que afirma “And I’m back to my ways ‘cause I’m heartless” e ainda em After Hours “I turned into the man I used to be, to be”

Nos seguintes versos “I seen darker days, tryna keep my faith / I sin too much to pray for you / Even when it’s great, I still walk away / I couldn’t even change for you  / If you’re the air I need (Hey), I’m dying just to breathe / I hope that you’re not dying too  / Tryna keep my faith” , Abel volta ao assunto que refere em Faith e outras faixas, o seu distanciamento quanto à fé e a incapacidade de poder rezar pela pessoa que ama, ou seja, conseguir o melhor para amante pois ele não mudou, e é o homem de antes, corrompido pelo pecado. Os seus darker days podem estar relacionados às darkest hours sobre as quais fala na After Hours.

16. Missed you é uma faixa melancólica e de reflexão, onde o artista admite que ainda tem sentimentos por quem amava no passado, que a perdeu e culpa-se por isso.

O instrumental é quase todo acompanhado por uma batida base mas não deixa de ser complexo. Toda a faixa parece menos sinistra que as restantes do álbum até chegar ao final, com um decréscimo de volume da voz do cantor, mas ao mesmo tempo uma distorção desta.

A presença cinematográfica volta a manifestar-se no verso“I hurt myself a hundred times just to feel something in my soul”. Como? Realmente á primeira vista não parece nos suscitar muito, no entanto, The Weeknd pode estar a fazer uma alusão a Nicki Brand, personagem de um dos seus filmes favoritos, Videodrome (1983), interpretada pela atriz Debbie Harry num filme do diretor canadiano David Cronenberg. Na obra essa personagem sexualiza a dor, pedindo ao protagonista que a magoe para seu próprio prazer. Nicki tem uma fala que vai contra os velhos hábitos do cantor: “Bem, acho que vivemos em tempos superestimulados. Desejamos estímulo por si só. Nós nos divertimos nisso. Sempre queremos mais, seja tátil, emocional ou sexual. E eu acho isso ruim”.

O que também nos ajuda a afirmar isto, é o facto de Abel ter citado o filme como uma inspiração para a sua música em entrevista e o poster na foto que postou no Instgaram.

View this post on Instagram

final form

A post shared by The Weeknd (@theweeknd) on

O facto de chamar Baby Boo à amada “‘Cause I missed you, Baby Boo” é algo que me despertou a atenção, enfim é uma maneira carinhosa, é a maneira de dizer que é o amor da sua vida.

17. Final Lullaby é uma faixa muito calma e relaxante, em que Abel canta para a sua amante, ajudando ambos a tentar adormecer.

Os versos “I’m running out of time / And you’ll always be on my mind”, não fazem lembrar um tema do álbum? Exatamente Blinding Lights que tem os versos “I’m running out of time” “ ‘Cause I can see the sun light up the sky”. Isto pode se remeter ao final desta jornada de After Hours, e a aceitação e continuidade de um ciclo, o ciclo da sua vida, dos seus vícios.

Com os versos “And I can’t make you stay / In this broken place” Abel fala-nos de uma relação amorosa com problemas, como em Nothing Compares onde diz “If we tried again, we’d make the same mistakes.” O cantor parece perceber que o seu relacionamento não tem esperança e sente-se mal pela agonia que causa à amante, assim como insiste em Save Your Tears com “And you deserve someone better.”

Abel volta a falar no seu medo de voltar a ficar sozinho nesta faixa cantando “I’m home alone / My trauma, alone”. O facto de ficar sozinho é um trauma do artista ao longo do álbum, muito expressado também na faixa Alone Again.

Assim, The Weeknd continua nestas novas faixas a narrativa que envolve o álbum, através de uma relação estabelecida entre as músicas e temas recorrentes.

A última faixa bónus adicionada acaba por dar uma nova conclusão ao álbum, numa música mais calma e relaxante, um ótimo final depois do que lhe antecedeu, o tema Until I Bleed Out, que até agora era o final deste novo álbum. Nessa música, Abel volta a lidar com o tema da solidão e com o medo de voltar a ser dependente de substâncias, numa faixa em que está a sangrar até à última gota, até ser levado tudo de si (“ I can’t move, I’m so paralyzed / I’m so paralyzed / I can’t explain why I’m terrified / I’m so terrified”).

Porém parece que The Weeknd não quis que essa fosse a sua última faixa e ainda deixou algumas gotas para mais três faixas maravilhosas com o foco principal na amada.

Escrito por: Rafaela Boita

Editado por: Cláudio Nogueira

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s