Dias de violência chegam ao fim após acordo entre governo e manifestantes no Equador

Governo do Equador revogou na noite de domingo o decreto 883, que foi motivo de mobilizações que pararam o país por 12 dias.

2019-10-08t194829z_310315488_rc189c966900_rtrmadp_3_ecuador-protests.jpg

As manifestações lideradas pela Confederação das Nacionalidades Indígenas do Equador (Conaie) atingiram, por fim, o seu objetivo, com a revogação do decreto 883 na noite de domingo. “É uma solução para a paz e para o país”, disse o presidente do Equador, Lenín Moreno.

A crise no país começou no início do mês de outubro, quando o presidente decretou o fim do subsídio estatal aos combustíveis, como parte de um acordo com o Fundo Monetário Internacional (FMI) que resultou num empréstimo de 4,2 bilhões de dólares ao país. O fim do subsídio levou a um aumento de 123% no preço dos combustíveis.

Tal medida não foi bem aceite, principalmente pela população indígena, que representa cerca de um quarto da população do Equador. Milhares de integrantes desse grupo migraram para a capital Quito, onde exigiam a permanência do subsídio.

O caráter das manifestações promovidas pelos indígenas manteve-se pacífico, embora grupos de manifestantes tenham praticado atos de vandalismo e inclusive incendiado a sede da Controladoria, o órgão fiscal mais importante do país.

Também ocorreram diversos confrontos com os agentes de segurança, que tiveram o comportamento criticado por terem utilizado força excessiva. As manifestações resultaram em pelo menos 10 mortos e muitos feridos.

Para conter a violência na cidade, Moreno ordenou a militarização da capital e um toque de recolher, que não foi acatado pelos protestantes. O governo ainda acusou as forças indígenas de estarem infiltradas por agentes ligados ao ex-presidente Rafael Correa e ao líder venezuelano Nicolás Maduro, acusações negadas por ambos.

Devido ao clima instável na capital, a sede do governo foi movida para a cidade de Guayaquil no dia 7 de outubro, tendo retornado a Quito para reuniões com a oposição.

O acordo, que encerra os protestos e restitui o subsídio ao combustível, foi muito comemorado pela população e pelo próprio presidente, que o considerou uma “vitória política”.

Os protestos reiteram a importância da comunidade indígena na política equatoriana, que já tiveram, inclusive, participações importantes que levaram a quedas de presidentes, como no caso de Abdalá Bucaram em 1997 e de Lucio Gutiérrez em 2005.

Escrito por: Lucca Donassolo

Editado por: Cláudio Nogueira

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s