Conferência “CC Regressa a Casa”

17820823_10206772711196273_1706167855_n

Fonte: ISCSP

O terceiro dia do 7º Fórum das Ciências Sociais foi marcado por mais uma conferência organizada pelo Núcleo De Ciências da Comunicação (NCC) do ISCSP. Nesta conferência, denominada de “CC regressa a casa”, trouxeram-se de volta antigos alunos da licenciatura em Ciências da Comunicação.

O evento decorreu na sala 7 do piso -1 do ISCSP e através de perguntas moderadas por Luís Machado, aluno de terceiro ano da licenciatura, foram discutidos aspetos chave de pessoas que após “lutarem imenso” conseguiram “chegar longe” num mercado de trabalho classificado como sobrelotado.

O primeiro orador, Rui Ventura, é o atual presidente da Associação Portuguesa de Profissionais de Marketing (APPM). A segunda oradora foi Paula Cristóvão Santos que, embora tenha passado anos a fio enquanto jornalista freelancer, atualmente é coordenadora de vários projetos de comunicação na empresa “Escrita em Mente”, criada pela mesma. Como terceiro orador a conferência contou com José Miguel Almeida que trabalha atualmente na bet.pt. A quarta e última oradora foi Ana Cristina Marques, que é atualmente jornalista de lifestyle no Observador.

Apesar de serem todos licenciados no mesmo curso, os quatro oradores optaram por seguir diferentes ramos da comunicação.  Paula, que teve a sua primeira experiencia como assessora de imprensa do Brasil, na expo 98’, estagiou na RTP e relatou vivências nesta área, em que se fazia um “jornalismo diferente”. Constituiu a empresa na área de Ciências da Comunicação, através da produção de conteúdos tanto para blogs como para outras empresas. “É um desafio muito grande, especialmente em Ciências da Comunicação”, disse, quando questionada se prefere o trabalho enquanto freelancer ou enquanto coordenadora de uma empresa.

Alguns dos membros do auditório identificaram-se quando José em tom de desabafo disse: “ aos 18 anos não sabia o que fazer”. Acrescentou ainda que isto é normal e que grande parte dos alunos quando terminam a licenciatura encontram-se ainda com mais dúvidas em relação ao que gostam, ou não, do que aquelas que tinham quando entraram. José, tal como os outros oradores oradores, aconselhou à realização de estágios em diferentes vertentes durante a licenciatura, para perceber com que vertente se identificam mais e referiu também que estes estágios acabam por acrescentar currículo, o que acaba por ser benéfico aquando a entrada no mundo do trabalho.

O orador deu o seu exemplo pessoal e disse que inicialmente ambicionava o jornalismo, mas que ao estagiar percebeu que “afinal não era a área correta para si” e acabou por seguir a vertente de comunicação estratégica, encontrando-se hoje em dia no Bet, apostas online.

Na conferência foi ainda feita uma comparação entre blogs de lifestyle e o jornalismo “do mesmo tipo”, a qual Ana Marques comenta enquanto não existente, visto que os blogs operam de uma forma bastante diferente do que o jornalismo em si.

Discutiu-se ainda a diferença entre jornal online e em papel e novamente Ana Marques diz que não há relação possível, mas que o online acaba por ganhar devido à capacidade de atingir mais audiências no imediato.

Para estudantes de Ciências da Comunicaçao com o objetivo de seguir marketing, Rui afirmou que o curso em comunicação não os deixa mal preparados, mas que podem sempre optar por fazer uma especialização após a licenciatura, se acharem necessidade em tal. Disse ainda que no mercado de trabalho temos de saber fazer um pouco de tudo: “por vezes tenho de pensar como um jornalista, mas tenho de ter o “chapéu” de um vendedor e de criativo”.

A ideia do encontro do equilíbrio da vida profissional e aquilo de que gostamos de fazer foi um dos temas mais acesos da conferência, em que se salientou a necessidade de flexibilidade para arriscar e o fomento pela curiosidade.

“A importância do mestrado é que complementa o curso com a parte prática que me faltou na licenciatura”, admitiu Ana, descrevendo-o como uma ajuda no background para entrar no seu atual emprego, uma vez que a sua tese de mestrado foi mesmo baseada em jornalismo de lifestyle.

Rui aconselha: “Não se levem a sério”.

Por fim, muitos foram os bons momentos recordados nos tempos enquanto alunos ISCSPianos, no anterior Palácio Burnay. Uns, a quem o espirito da praxe não sorriu, outros envolvidos em projetos de Ciências da Comunicação, como a Presidência do Núcleo, a Presidência da Associação de Estudantes e ainda festas (essas descritas com a mesma garra por antigos e presentes alunos).

Escrito por: Inês Castro e Glória Alves

Editado por: Rita Rogado

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s