Conhecer Portugal – Monsanto

Este slideshow necessita de JavaScript.

Nas próximas três semanas o Desacordo dá-te a conhecer três terras beirãs. Hoje apresentamos-te Monsanto, uma aldeia localizada a 25 quilómetros de Idanha – a – Nova. Situada numa pequena elevação, Monsanto recebe-nos com ruelas empedradas e casas graníticas de aspeto pitoresco, relembrando-nos outros tempos.

De facto, distinguida em 1938 como a aldeia mais portuguesa de Portugal, Monsanto é uma região cheia de histórias para contar. A presença humana neste local data do paleolítico e, desde então, por esta terra, já passaram romanos e mouros, até D. Afonso Henriques conquistar a região a estes últimos em 1165. O rei acabou por entregar Monsanto à Ordem dos Templários, que construíram um castelo que prevaleceu até aos dias de hoje.

O que visitar:

  • Castelo de Monsanto: subindo a penosa Rua do Castelo, o visitante chega ao Castelo de Monsanto, construído pela ordem dos Templários. Dentro das suas muralhas, são ainda visíveis a antiga cisterna, a Igreja de Santa Maria do Castelo e a Capela de São Miguel do Castelo;
  • Casa de Fernando Namora: aqui podes visitar a casa onde o escritor exerceu medicina;
  • Casa de Uma Só Telha: talvez dos elementos mais característicos de Monsanto, esta casa apresenta-se como uma pequena habitação cujo telhado é unicamente constituído por uma enorme rocha de granito;
  • Igrejas: vale a pena visitar a Igreja Matriz, uma construção com prováveis raízes medievais alterada no século XVIII, como se comprova pelo interior barroco. Merece ainda uma visita a Igreja da Misericórdia, bem como a capela de Santo António;
  • Largo do Pelourinho: onde se encontram a Capela do Socorro e Pelourinho da localidade;
  • Torre do Relógio ou de Lucano: torre defensiva que permitia um amplo campo de visão para a zona a ocidental da aldeia. Do topo ergue-se o galo de prata, prémio do concurso “a aldeia mais portuguesa de Portugal”, implantado pelo Estado Novo em 1938;
  • Fonte do Ferreiro;
  • Antiga Adega;
  • Forno Comunitário;
  • Gruta.

Onde comer:

  • Restaurante “Adega Típica – O Cruzeiro”, onde podes apreciar pratos como Bacalhau Grelhado e Ensopado de Borrego;
  • Café Restaurante “Jovem”, conhecido pelo Bacalhau à Monsanto e Borlhão (carne de cabra);
  • GeoRestaurante “Petiscos & Granitos”, que confeciona pratos como Polvo com Queijo Regional e Perdiz em Molho Escabeche;
  • Restaurante “Horizonte”, que oferece pratos como Bacalhau à Casa e Ensopado de Cabrito;
  • Café Monsantino;
  • Restaurante Pousada de Monsanto;
  • Restaurante Petiscos e Granitos.

Onde ficar:

  • Casa do Chafariz;
  • Casa da Tia Piedade;
  • A Casa Mais Portuguesa;
  • Casa de David;
  • Cantinho da Coxixa;
  • Monsanto GeoHotel Escola;
  • Taverna Lusitana.

Fica a conhecer a opinião de Helena Nunes, albicastrense e visitante frequente da aldeia de Monsanto:

1. O que gosta mais em Monsanto?

O gigantismo da natureza e a ação humana fundida com ele, para além do silêncio que proporciona.

2. Quando visitou Monsanto pela primeira vez? O que a fez regressar?

Não me lembro de quando visitei pela primeira vez, mas o seu magnetismo faz-me escolhê-la sempre que preciso de descontrair, renovar energias. Também se encontra muito perto de Castelo Branco e é de fácil acesso.

3. Se pudesse mudar alguma coisa neste local, o que mudaria?

Não mudaria nada.

4. Indicaria Monsanto como local a visitar? Porquê?

Indico, sim. Por todos os motivos que me fazem lá ir e pelos que cada um irá descobrir.

Fotos por Carla Nunes e Carlos Semedo

Editado por: Isabel Vermelho

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s